Páginas

24 de set de 2009

A mãe do ladrão que chega na delegacia e começa a bater no filho
Que rouba para sustentar seu vício
Sinto pena dos dois!
O menino caído no chão daquele lugar estranho
Sua mãe tendo que ir até lá para ver como fica a situação
Ela se descontrola e bate nele
Com ódio no coração por ter falhado
Sinto pena porque agora, nesse instante
Vendo seu filho no chão, com algema, por roubo
Ela se sente uma lata de lixo
Todo o esforço em vão!

16 de set de 2009

Maybe

A Janis grita tão alto
E sua voz nos paralisa
Nessa nossa letargia aguda intensa
A gente fica assim distante do resto do mundo
Sem sentir falta nenhuma
Porque diante dessa nova companhia eu tenho o mundo
Sempre tão intenso
Nós aqui
Assim
Nesse carinho, proteção, segurança
Uma amizade que me deixa feliz
Que posso não ter mais ningúem
Nosso papo
Beijo
Sexo
Teu gosto por perfumes
Minha mania com esqueiros
Você sorri
E eu sorrio contigo
Comigo tudo bem!
Contigo tudo indo
Vamos!
Me dá sua mão para subir aquela trilha que me leva até bem perto do céu
Diante de tua presença posso ter a certeza de que o que vale mesmo é não ter nenhum pudor
e não resisitir tanto as tentações que surgem de repente
Nós somos frutos da total falta de vergonha na cara
Pois somos juntos um prato cheio de sacanagem
Um certo encontro que valeu a pena
Como esperar papai noel dias antes do natal
Como a pele da cobra que renova
Todo dia
Todo tempo
E a mudança acontece para que sejamos fortes
Para que a gente sobreviva diante de tanta informação e o noticiário só diz que tem merda nas ruas
E os políticos são os mesmos de sempre, que fazem as mesmas cagadas e tudo continua como está
E todo mundo vive na pressa e na correria
Querendo estabilidade e andar por águas em que não há mudança de direção mais isso eu não quero para mim!
O menino pega a bola que rola escada abaixo da viela na favela
E logo na frente dele uma boca de fumo
Onde movimenta todo tipo de gente
Crackeado, maconheiro,policial, pó maniac's...
Toda energia ruim naquele buraco
Quadrado
Porque de repente a polícia pode chegar e começar a disparar tiros
E tudo rápido acontece na tua frente e você tenta entender como pode vir a ser o futuro dos meninos
Aí me pergunto o que posso fazer para que outros meninos não passem por isso
E que talvez eles vejam que podem ser algúem se quiserem
O complicado é motivar diante da realidade que acaba dificultando
Barulho de tiro, o tapa na cara do trabalhador e a dura
O desespero pelas ruas e as crianças que correm sem parar
Jogando bola e correndo e não pensando em tanta coisa
Mas é tão desesperador não poder andar por aí livremente
Sair de casa está ficando cada vez mais dificil e vejo que estão todos mais distantes
No individual, de óculos escuro e mp3.
E fazendo isso eu realmente mostro que não me preocupo com mais nada
Mas se a bala atinge a parede da minha casa aí eu coloco mais cachorro, contrato um pessoal para ficar como apoio de segurança e coloco cancela e limito a entrada.
De fato não há direito de ir e vir
Não quero me isolar muito pelo contrário, gostaria de que fosse obrigatório o direito de andar livremente pelas ruas.

15 de set de 2009

Gosto de ficar quieta e observar
Estar atenta a qualquer idéia que surge e dar respostas
E tirar qualquer coisa de útil
De qualquer papo
Bom
Ruim
E esse cigarro que acaba de repente
Queima até não existir mais
Dando tragos ele vai embora
Entre os dedos
Como certas mãos que não estão mais entre meus dedos
E os tais abraços que valorizo tanto
Amigos
Desconhecidos
Todos aqui
Gosto de gente
Como gosto de mim
Só estou brincando
Com fogo
Gente
Sonhos
A vida em forma de brincandeira
Que gera um sorriso
Boas gargalhadas
Como qualquer criança brincando na rua do interior
Na maior inocência, sensibilidade e absorvendo cores e sensações
Sem querer saber das consequencias futuras
De agora
De ontem
Na verdade achando que nada me abala
Que sou a prova de tudo
De amore, dores, balas
Duras!
Percebendo que quanto mais gente surge
Mais fica interessante
Cada um trazendo a diferença
A novidade
Quero promover o Dia do Abraço
Do sorriso
Da gargalhada
E do colorido
Chega de cultuar gente sem conteúdo
Sem idéias e pensamentos interessantes
Nada para somar
Gente gritando a toa
O idólo da gente grita dizendo tudo
E não é isso que tenho visto por aí
Só vejo vultos
Almas pobres de conhechecimento da alma
Só o exterior que importa nos dias atuais
"Vem sem conteúdo mas vem!"

12 de set de 2009

A mulher feia passa pela rua e joga o cigarro no chão
E para ela é tão simples
Olho para o rosto dela com cara de raiva
E nada
Não se toca de que uma SIMPLES guimba demora anos para se decompor
Uau
E de longe esse ato dói em mim
Porque mesmo socando a cara dela até morrer
Ela não se dará conta de que ela pratica o mal
Porque age sem culpa e é mecânico
Literalmente não se toca
Tanto quanto um psicopa de sangue frio
Eles juntos acabam com seres cheios de vida
Privam quem quer viver
Para que os raios partam!
Desse tipo sujo de gente
Quero distância
Eles querem dinheiro
E por assim ser, deles também quero distância
Chega de agonizar em praça pública que nem uns coitados
Tipo a " veja" revistinha sensacionalista de merda
Que informa lixo
Amanhã meu cão lindo caga na cara do Sarney porque ele não tem dignidade
Ele é lixo!
Tira de quem não tem nada
E o pior de tudo que a gente vive na "democracia"
Ainda tem gente que vota em lixo errado
E todos nós retardados sorrindo na esquina de casa
Tomando um gole de cerveja de noite
No Rio
Só para um segundo esquecer que tudo é contínuo
Que nada muda e tudo está de um jeito meio que no limite
Gente!
Que vontade de abraçar bem forte alguém por aí
Que eu não conheça
E assim possa vir a conhecer porque me identifico com cada pessoa que passa
Gosto de ouvir histórias incríveis
Me transporto para o ser que fala
Escuto de longe e gosto
Gosto de qualquer pessoa que senta comigo e tem brilho no olhar
Gosto de cada pessoa só por ela poder como eu
Viver cada sensação bacana que aparece com o tempo
Tem um mundo de gente lá fora vivendo e sorrindo
E eu aqui de dentro desse escritório legal
Não é tão cool.
Mas depois disso eu vou chamar meus amigos
E com certeza a gente sai e dá um rolés
Sorrindo de tudo, falando besteira, pensando diferente mas calmamente
Cada opinião sendo exposta de uma forma "so cool" por que tudo vira arte
Quando com a mão delicada ela se estende na cama e me chama