Páginas

20 de nov de 2008

No instante em que passa
Tao rapido!
Percebo que quer algo de mim
Só que não diz
E isso com certeza dificulta o encontro
Me olha e faz com que eu sinta um monte de sensações estranhas no corpo
E logo que passa
Agora de costas pra mim
Me deixando mais confusa
Por que não me diz o que quer e vira e não me olha mais?
Outra manhã
O mesmo encontro
A mesma distância
Nossos olhos dizendo e querendo alguma coisa oculta
Ninguem fala nada
E a gente passa
De repente não há nada e sim uma fixação barata e infantil
Mais uma manhã
Você passa, olha para dentro dos meus olhos
Não diz nada
Não digo nada
E a gente passa
São desencontros e encontros constantes

9 de nov de 2008

Onda nao ha barulho
Quero o silencio do dia
Nem que para isso eu mesma tenha que ir buscar
Seja onde for
Meus ouvidos sao sensiveis demais
Nao posso permitir que me tirem os tipos diversos de sons
Sao passaros, borbotetas, insetos, vento
Aqui em pe
Pensando em como ordenar as minha proprias ideias
Nao deixar que entrem em conflito

5 de nov de 2008

O silencio do ar-condicionado que nos tira da realidade barulhenta
Incoveniente! Persistente!
As vezes coloco protecao no ouvido e percebo que nao e a mesma coisa
Aquela calma do quarto frio
So nos duas
Essa monogamia que chega a ser ridicula de tanto que e melada e grudenta
Justamente quando eu precisava colocar o pe no freio, travar um pouco a loucura das noites
Onde adquiri somente olheiras, vicios, amores que se foram
Grandes ilusoes chegaram nesse mesmo frescor

3 de nov de 2008

Entro no carro com eles
Coloco minhas malas na mala do carro e fecho a porta
Abro a janela
Sinto o vento nas maos e no rosto
E ele me abraca e eu sinto que estou fazendo o que e certo
Precisamos viajar para acertar nossa vida juntos
Me cobra um monte de besteiras
Diz que ja nao tenho mais tempo pra gente
Faz charme e me convence de que o melhor e pegar estrada
E somos seis, tres casais
Entornamos garrafas de bebidas, fumamos muitos cigarros e depois de algumas horas na estrada
Passando por um pasto enorme, paramos, colhemos cogumelos e armamos uma barraca no meio da estrada
Esquentamos a agua e jogamos os cogumelos coletados pelos camaradas
E agora todos de barrigas para cima
Todos olhando paras as estrelas e falando um monte de merdas
E alem do cha, ha vinho
E ele pega na minha mao e me leva para dar uma volta pelo pasto
Eu saio carrendo na sua frente, com uma garrafa de vinho na mao
Completamente fora da orbita da logica
Embriagada pelos grilos e sapos e cobras que devem estar escondidos nessa escuridao
E ele me alcanca e ja chega me agarrando e nao penso em sexo
Digo que nao!
Ele cai de joelhos no chao e chora feito crianca que nao tem brinquedo
Eu saio correndo pra bem longe desse drama
Subo em uma arvore e fico por la gritando feito louca
Me sentindo bem por ter dito nao
Ele nao entenderia nem que eu explicasse
Acho melhor eu aproveitar essa loucura de gritar em cima da arvore
E nossos amigos vem correndo em minha direcao
Todos gritando juntos
E ha uma roda louca que eles fazem de maos dadas no meio do mato, do breu
Dessa noite agradavel que nos engole
E o pobre do menino jogado no mato, chorando porque eu nao quis sexo
Vem...vem...
Vamos juntos gritar
Vem ate aqui e nos de as suas maos
Ele espera na porta de casa o carteiro chegar com a sua revista nova
A nova edicao
A nova garota do mes
Aquela revista para todos os punheteiros de plantao
Mulheres nuas
Cenas provocantes
Nada de sensual
Elas nao eram de verdade
Havia tanto fotoshop nas fotos
Nao ha mais mulheres com bafo, que peidem
Ha cirurgia para corrigir tudo
Eu gosto do erro
Da meleca no nariz
O feijao no dente
O bafo na boca nas primeiras horas do dia
Que acordam com os olhos grudados de remelas secas
Ha cigarro demais no cinzeiro
Ela ainda nao chegou em casa e entro em panico
Um copo cheio de whisky com gelo
Fico aqui desolada com os cachorros e peixes
Nao escuto o barulho do seu carro chegando e isso me assusta
Meu celular nao toca e tento ligar para o seu e so da desligado
Talvez nao durma em casa
Acho que nao gostou do modo como eu acordei hoje
Falei tanta besteira e agora fico com medo de perder
Sei la
Nao sei o que se passa na cabeca dela
Ela de manha nao me deu resposta
E isso me deixou pensativa o resto do dia
Tudo o que eu realmente queria era um beijo seu
Falei todas as coisas que eu pensava na hora
Tudo bem, metade delas saiu carregadas de exagero
So que voce nao tem me dado alternativas
Cada vez mais distante
Tao longe daqui
Esse nosso cantinho
A gente ja nao mais anda com os cachorros
E nem bebe no mesmo copo e nao se tranca mais no quarto e fica la por dias
E isso tudo a gente ja fez um dia
Por isso nao posso permitir que agora me de menos do que pode
Nao aceito
Quero como antes
Quero tudo aquilo que eu ja tive
Voce
Preserve
Recicle
Reduze
Reutilize
Cigarro
Cerveja
Vinho
Whisky
Pessoas animadas que se unem pela musica
Que se unem para gozar juntas com o som que sai das caixas de som
Som alto
Que faz mexer tudo que ha dentro do corpo
Meu corpo todo treme
Elas estao tao alegres quanto eu
A noite esta perfeita, uma lua enorme no ceu que ilumina nossos passos
Pessoas sorrindo
Amigos
Alguns amores
Ha alegria
Nessa festa todos estao convidados
Ninguem na porta barra nada
Uma festa liberal, sem limites e nao ha porta
Musica alta, de qualidade
Uma psicodelia que te leva alem
Uma festa aberta para quem quiser sorrir, dancar e viajar no som
Aquele liquido que esquenta minhas veias
E vejo formas geometricas
Ja nao sinto mais nenhuma pressao externa
Estou entrando em mim
E ao mesmo tempo corro por campos coloridos de flores tao belas e macias
E seguro tuas maos
E elas estao frias como as minhas
Sinto tua presenca tao em mim nesse instante
So nos duas em oposicao ao resto
O mundo nao pertence a nos
So por agora quero nao pensar em nada
Quero sentir esse liquido que esquenta minhas veias
Brotam ideias e pensamentos que se confundem
Talvez sejam desconexos
Ou quem sabe nao sei lidar com eles
E quero so sentir suas maos frias
Sua cara de aerea me olhando de longe
Seu corpo tao mole que cai em cima do meu
Nao menos mole
Estamos em algum lugar que nao sei
Parece que quando olho para o teto faco parte dele
Sinto que faco parte de cada parte que ha de coisa no mundo
Eu sou tudo
Posso ser qualquer coisa nesse estado
Estamos juntas e me sinto cada vez mais forte
E sinto a brisa do vento que vem do mar e entra na janela e derruba tudo
A cortina da janela fica pra fora
Minha testa suada
As maos ja nao estao tao frias e meu corpo continua relaxado
Voce agora deitada no sofa e achando tanta graca
E eu aqui sentanda tentando juntar palavras
Voce tem razao, isso agora nao importa
Quero tambem achar graca
Me agarro ao teu corpo
Te faco cocegas
Beijo na tua boca e percebo que tem gosto de veneno
Voce continua rindo e nao consegue parar e diz que sente dor na barriga de tanto que ri
Queria achar engracado so que nao consigo desviar meus olhos do teto
Ele parece que quer me engolir
E ouco tua gargalhada alta e sinto um pouco de raiva
Quero um pouco dessa graca
Voce nao percebe
Sua onda e tao egoista que voce nao percebe que eu tambem quero achar graca
E me agarra forte e me faz cocegas e eu nao consigo relaxar e sorrir
Beija na minha boca e diz que tenho gosto de morango
E continua achando tudo engracado
Quero tentar achar graca do que esta rindo
So que ela nao consegue me dizer
E continua sorrindo sem parar
Encontrei Amanda morta no chao do banheiro de sua casa
Verao, 2009.
Com uma siringa caida no chao e marcas de picada no braco, pescoco,pernas e bracos
Sim!
O excesso de drogas.
Ela so queria mais uma dose de egoismo
E so pensava em como seria a vida longe da injecao
Se desesperou de saudade...
A heroina passou a ser sua companhia frequente nas noites
Ela aparecia as vezes na janela de sua casa
Com suas olheiras e cara cada vez mais ossuda
Suas roupas sujas
Cabelos totalmente despenteados
Nao se preocupava com a aparencia
Ela visitava asilos e levava biscoitos para os velhinhos
Levava livros e garrafas de vinho
E lia todos os seus contos preferidos e entornava todas as garrafas
E dava alegria aquelas pessoas abandonadas pelo tempo
Nao tinham mais utilidade no mundo
A nao ser para ela
Um casal embriagado
Que dava passos tortos pelas ruas de Botafogo
Tudo naquele instante estava engracado
E faziam palhacadas que mais ninguem entendia
E todos olhavam assustados
E eles dois eram so alegria

2 de nov de 2008

Enxergar alem dos olhos, notar um brilho na presenca
A essencia do brilho dos olhos
A verdade de cada pessoa
Olhar adiante e sentir a brisa do vento batendo no peito
Batendo na porta
Da casa que e nossa
E a gente recebe os amigos parar tomar umas e viajar
Falar besteira por horas e gargalhar ate doer a barriga