Páginas

31 de jan de 2009

É O SILÊNCIO DA NOITE
SÃO AS HORAS TAMBÉM
ENGRAÇADO COMO TUDO NELA ME ENCANTA
ACHO QUE SUA ESCURIDÃO ME EXCITA DE UMA MANEIRA INTERESSANTE
NÃO SEI EXPLICAR O QUE SE PASSA COMIGO
MAS SINTO QUE O FRESCOR DESSES MOMENTOS ME DEIXAM MAIS ALEGRE E DIVERTIDA QUE DE COSTUME
É QUE SÃO AS HORAS EM QUE LANÇADAS AS CABEÇAS NO TRAVESSEIRO
A VIDA VIRA FILME E PASSA TUDO TÃO RÁPIDO
QUE ENGRAÇADO!
NÃO CONSIGO DORMIR
ESTOU COMPLETAMENTE ELÉTRICA E JÁ SÃO 4:00 AM
O RELÓGIO COM SUA LUZ VERMELHA ILUMINA MEU QUARTO
A JANELA ESTÁ ABERTA PARA QUE EU POSSA OLHAR AS ESTRELAS
FICO ALI, PARADA, OBSERVANDO TUDO QUE ACONTECE
E DE FATO É NADA

13 de jan de 2009

Talvez nada seja isso tudo o que se passa aqui dentro do peito
Acelera como bateria de escola de samba
Há um certo desequilibrio que me deixa assim
Tão leve como pena de pombo pendurado no fio
Por um fio, apenas pendurado
Quase que sendo eletricutado
Dor
Já não mais sente nada
Nem a gota de suor que cai tão leve pelo rosto
Sujo de vida
De suor e poeira das ruas
Sujeito que sujo segue seus dias
Meu corpo treme
Sinto medo do fio, medo de mim
E do meio da rua eu olho desesperado pra todas as janelas
E procuro insistentemente por algum rosto
Que seja desconhecido
Novo e belo
Aquela sensação com algumas pessoas
Que mesmo na primeira vez em que nos olhamos
Já existe um interesse
Intrigante
Me ponho como curioso
Atrás dos óculos escuros
Minhas lentes em direção aos rostos que passam

6 de jan de 2009

Era uma menina e já andava por aí
Conhecia um pouco do mundo
Música, literatura, adorava pintura ... arte no geral!
Falava linguas diferentes
Gostava do botafogo
Comia brigadeiro comigo nas tardes de domingo
E me ligava na segunda quando chegava cansada do trabalho
Fazia ioga e lia grandes nomes
A gente discutia sobre os beats
Jack, Allen, Willian...
Tardes de vinho
Noites de cerveja e horas a fio de whisky
Fumava alguns cigarros
Ultrapassava o limite permitido de cigarros no cinzeiro
Chorava quando eu falava alto
Queria ficar na minha cama todos os dias
E de repente já não estava mais tão empolgada com a tua presença
Não conseguia disfarçar, meus olhares fugiam dos dela
Tesão não mais existia
E era tudo estranho
Um dia eu sumi e nunca mais voltei ali
Naquela casa estranha, com aquela mulher distante
E outro dia quando dobrava a esquina da casa dela
Vi de longe um carro estranho na porta
E cheguei mais de perto, na janela
E lá estava ela e uma outra pessoa
Estavam abraçadas vendo filme e comendo pipoca
Caí de joelhos
Meus olhos lacrimejavam e eu já não conseguia engolir
Havia tamanha emoção em mim
Naquele instante...
Foi demais
Saí dali correndo
E xinguei bem alto seu nome
Para que todos pudessem ouvir