Páginas

18 de nov de 2010

A verdade nada mais é do que a realidade representada e explicitada por palavras que saem de bocas que falam desesperadamente qualquer coisa

Dizer a verdade é mais sincero mas dolorido,doloroso o processo, o impacto nada agradável e desconcerta.

Mas a mentira é suja, é inverdade, é uma história contada longe da realidade. É baseada em confusão, em engano, infidelidade e escrotidão do ser.

Enganar, iludir, ser leviano não está com nada

o bonito está em distribuir o amor aos seres que te complementem

O amor não tem tempo, validade ou prazo

Ele surge e arromba o ser e leva mesmo ao desequilíbrio

o amor está vivo

o amor sou, você

Faz sentir confusões e prazeres em questões de segundos

poucos dias

olhares depois do gozo

sussuros

toques

ouço teus gemidos de perto

debruço meu corpo cansado no teu

e escuto os batimentos do teu coração

acho que isso se chama intimidade

mas percebo que não

e eu ainda preciso de tempo? //

Me leva no esquecimento

Me leva no peito

Me leva

Da festa

Do amor

Do prazer

Da zona

Me leva pra longe dessa confusão

Me leva!

Diz que quer o mesmo que eu

Diz!

Que quer o silêncio barulhento da paixão

que quer vinte quatro meses de intensidade e vontade

que quer a minha companhia

que me quer

Me leva pra longe

Me leva contigo

estou leve feito pena

feito calma

calmamente serena descanso em um dia qualquer

mas torno a ficar em dúvida

ainda não tenho a resposta de que preciso pra saber se queremos o mesmo

por mais que meu peito e consciência digam incessantemente que eu quero mais do que você pode me dar

porque talvez você não esteja no mesmo patamar da vontade

da entrega

de doar

entregar

e não enganar

iludir

você é como criança mimada

burra feito uma pedra

dura feito uma rolha

fria feito vodka do lado de fora da janela na Rússia que assim mesmo congela...foi você que fez a minha vontade virar cubo de gelo.


Eu sofro mas sofro amando

amo a dor de sentir a dor do amor

a dor de perder quem se quer

de perder

de entregar-se a toa

o ser humano é burro quando gosta

só faz burrice

só pensa em si

orgulho ou ciúme

ou posse

mas ele se entrega aos quereres da carne

da alma ou do corpo

sei lá

sinto quando quero

desejo quando tenho vontade

e digo que quero porque de fato quero

não engano quando é de verdade

não sei ser leviano no sentir

na paixão

não aprendi a enganar os outros

pois sempre pensei em todos eles como irmãos

e não é um simples tesão que irá me fazer sentir raiva ou ódio da pequena vaidade burra de algúem que me fez um bem e depois recuou e conseguiu me enganar

ou melhor, conseguiu me dar e tirar feito doce da boca de criança

um sentir qualquer

um doce delicado e frágil feito mulher

feito mistérios

dificil de saber a verdade

pois a verdade está na cabeça e interpretação das verdades reais e possíveis

será que eu só preciso de uma verdade bem contada?

Ou eu digo e grito que prefiro verdades inventadas?!

porque a dor do impacto de uma verdade me causa chuvas intempestivas.//

Nenhum comentário: