Páginas

30 de nov de 2009

Sobre putas & psicopatas

Jovens que vivem perturbados
Seguindo caminhos estranhos
Um menino me diz que o amor é suicídio
E eu escuto calada porque sinto pena dele
Talvez nem todas as pessoas podem sentir o doce delicado
As sensações que agitam a alma toda vez que surge o ser capaz
De desequilibrar todo o seu corpo
Sua razão
Não é possível que este pobre rapaz
Não seja capaz de sentir
O amor
Por qualquer coisa
A sensação de felicidade que transborda
Incontrolável
Eu quero gritar no seu ouvido que o amor é possível
E é bonito
Só que as barreiras impostas pela mente inquieta daquela criança triste
não deixam ele olhar para dentro de outra pessoa e ver qua alí há um mundo de possibilidades
//

Uma menina conhecida ao lado de uma mulher estranha
Vulgar
Triste
De coleira
E ela parecia uma boneca barata
De plástico
Carregada de energias estranhas
Meu corpo confrontando aquele olhar louco
Vazio
Perdido
Que não sabe o que quer
Que diz que a segurança é melhor que o sentir
Que ter um homem bancando tudo, é melhor que deixar que o inesperado surja rasgando o coração
Que de repente salta e não pára
Que desequilibra o corpo
O passo
Eu prefiro acreditar no amor
No encontro entre duas pessoas
Nas possíveis trocas de sensações e experiências
Tentando juntar os pedaços soltos
Unindo os caminhos e o fluxo louco da paixão e do amor
Eu queria tentar explicar a ela
Que quando o amor surge não é possível olhar para outra pessoa
Que quando o ser capaz de descontrolar sua razão passa por você
Teu corpo vira festa
Teu peito salta alto
E salta descompassadamente porque as sensações puras são incontroláveis
Eu gritoooooo hoje bem alto
O amor existe e todos nós devemos deixar que ele chegue e fique!
//


Eu não acredito na pessoa que não acredita no amor!
Eu não gosto da pessoa que me diz que não gosta do amor!
Eu não mereço a companhia de uma pessoa que diz que o amor é suicídio!
Os olhares vagos das pessoas que não são felizes porque não são soltas
Carregadas de energias ruins por bloqueios da mente
E jamais vão entender o porque deste brilho no meu olhar
Ou entender que a gargalhada que dou é porque espero meu amor toda vez que abro os olhos para a vida
Eu acredito no amor, na entrega, no encontro
Na delicadeza de um ato involuntário
No toque que arrepia meus pêlos
Meu corpo em festa espera pelo peso deste outro corpo que desequilibra o passo
E os olhares que são mergulhos em um mar que acalma
Talvez nem todas as pessoas sentem esse excesso de felicidade
Desta sensação que traz a paz.

Nenhum comentário: